domingo, 12 de junho de 2011

Mia Couto

Mia Couto

o homem que desconseguiu roubar
Era uma vez um homem que queria roubar o seu país. O seu plano, era o seguinte: começaria pela provincia mais pequena e ia avançando para as maiores. Quando dessem conta, o país já não existia. Já ele o tinha vendido no mercado internacional, onde se vendem países ao desbarato.
Dito e feito. Pegou num saco e começou a meter nele a província mas pequena. Com uma pá ia escavando, metendo terra, pedras e plantas, estradas e fábricas, tudo para dentro do saco. Fez mil viagens, encheu mil sacos. E ao fim de muito esforço viu que a província ainda estava lá. Parecia inteira, intacta, incólume. Voltou para casa e sentou-se num canto, muito triste. Então todos roubam e só ele não era capaz? Assim angustiado, decidiu ligar a televisão. Escutou o debate de uns políticos. Falavam do país, do tal que ele, em vão, tinha tentado lapidar. Tinha os olhos no ecrã, mas era só para se distrair. Foi quando reparou que um pedaço do país estava a sair fora do bolso de um deputado. Reparou melhor e confirmou que assim era. Olhou os outros políticos e viu que, em quase todos eles, os bolsos estavam atafulhados de património nacional...

... O mais estranho ainda estava por vir: é que, de vez em quando, faltava a luz no estúdio. E depois, quando a luminosidade se recompunha, os bolsos dos fulanos já estavam de novo meio vazios. Voltavam a encher, sempre à custa da terra. Mas, de novo, vinha a escuridão e os bolsos vazavam.
Uma das vezes, porém, o intervalo de escuro foi muito breve e viu-se que havia uma mão comprida, que vinha de além do estúdio (a bem dizer vinha de além-fronteiras) e que vazava os bolsos dos nobres senhores. Mas por razões misteriosas lá se enchiam os bolsos de novo. E o ciclo se refazia.
Até que, de repente, aconteceu um facto extraordinário - o chão do estúdio televisivo ruiu. Entrevistados e entrevistadores sumiram repentinamente num abismo. Para o nosso telespectador só havia uma explicação: os grandes senhores tinham tirando tanto país que, por baixo deles, já só havia um enorme buraco....
Mia Couto, O país do queixa-andar