segunda-feira, 20 de junho de 2016

Crónica de uma conferência

"Quando se tenta arrancar a língua de um ser humano não estamos a provar que este mente, antes dizemos ao mundo que tememos o que este possa dizer" George RR Martin, A Clash of Kings
A Medusa - A bela e aterrorizadora União Europeia
"Imaginem-se vestidos com um fato espacial a passearem na Lua. Já lá estão? Então agora tentem tirar o capacete para procurar encher os pulmões de oxigénio. O que é que acontece? Claro, não vão retirar o capacete porque sabem que na Lua não existe oxigénio."
Com esta alegoria, com mais ou menos estas palavras, Yanis Varoufakis começou a conferência para a Democracia e Transparência ao se assinalar o dia internacional do Refugiado (dia de hoje, verdadeiramente dramático) e os 4 anos completos de vida de Julian Assange num exílio forçado (refugiado) na Embaixada do Equador em Londres.
Tentarei fazer um resumo de uma longa e inspiradora conferência que decorreu em Bruxelas, no Centro das Belas Artes, em simultâneo com várias cidades do mundo.
A alegoria de Varoufakis serviu para mostrar o que é hoje a União Europeia. E o mundo em geral.
Há quem diga que hoje a UE está deficitária em democracia...pois de facto é como a lua sem oxigénio. Simplesmente a democracia não existe.
Palavras pronunciadas por um Homem que não quis ser um insider (tendo recebido o convite) e se tornou um outsider para a denunciar e mudar o curso da História. Uma bela União de países que não sendo irmãos (mas família certamente) se construíram por guerras, anexações, profundas divisões, contracções e expansões, de circuitos migratórios intensos e dolorosos (como nas famílias). No final de duas Guerras mundiais desesperavam os povos europeus. Precisavam de um sério interregno de Paz e crescimento. Na base da fundação estaria a democracia e a transparência. Hoje, a medonha Medusa mostra a sua fealdade. A União está prestes a desintegrar-se. Ou...Juntos evoluímos. Separados perecemos.
Abro um parêntesis para uma pequena explicação: de há uns anos a esta data, o mundo tomou um caminho dominado por elites que através de uma "doutrina de choque" ,teoria capitaneada por Friedman da escola de Chicago e executada do Chile ao Iraque passando pela Líbia, até à Russia, China e União Europeia foi vingando e vingando-se nos seus povos. Neste campeonato ganha claramente a ditadura do choque. Aconselho a leitura do livro de Naomi Klein (Doutrina de Choque) para entender o percurso, mas certamente ele tem estado a ser vivido por todos nós que sentimos na pele os efeitos subversivos do choque de invasões brutais, guerras, austeridade e implementação de um capitalismo medusiano, que nada mais tem feito que política de terra queimada, deixando-nos prostrados, em choque, sem força anímica para ripostar.
E aqui regresso à conferência, porque aqui entramos na "Resistance" vestida na figura de Assange, Snowden, Manning e tantos outros que se viram perseguidos, mortos, presos, vigiados, refugiados, com a vida presa por frágeis fios, à mercê de quem tem medo do que estes possam revelar. E se têm revelado!
Assange (como os demais), vivem um processo Kafkiano.
Foi de lágrimas nos olhos, emocionado, que Assange entra em directo connosco e nos deixa um testemunho anti super- herói, cujos super poderes residem na esperança, na continuidade e nos laços de amizade de quem não deixa que a sua vida se quebre. Ou o seu espírito. Que continua a trabalhar para desvendar segredos de quem fala e decide políticas em nosso nome, tudo fazendo ao seu alcance e além, para que nós, o povo, nunca chegue a ter conhecimento.
Varoufakis relembrou o recente "leak" do Wikileaks de Assange sobre a conversa tida entre a representante grega e o FMI sobre as medidas adicionais de austeridade. Se não fossem estes super-heróis da Resistência contemporânea como poderíamos ter acesso a todas as tramas?
Não existe transparência nas Instituições que nos representam e que falam e assinam acordos em nosso nome. Os homens e as mulheres, insiders, guardam os segredos e estão proibidos de os revelar. Isto é um facto e não uma mera suposição. O acordo do TTIP é o exemplo mais recente.
Mas é graças a estes homens e mulheres super heróis e anti heróis, que dão a vida em nosso nome, que vivem presos e/ou exilados e/ou que limpam um pouco da opacidade do espelho, que hoje eu posso assistir a uma conferência onde se fala abertamente e se exige o regresso à transparência e à democracia na Europa. Eles correram os riscos e continuam a corrê-los. Nós somos apenas culpados, se conhecendo a verdade, não optarmos por tomar a pílula vermelha, aquela que representa a liberdade. Como mencionaram Yanis Varoufakis e o filósofo Zizek este último numa intervenção emocionada e emocionante.
Falemos de Assange, falemos de todos estes heróis contemporâneos que é a forma de manter a sua resistência presente.
Vivemos na escuridão da caverna de Platão e eles ofereceram-nos a visão da saída da caverna.
O jovem filósofo da ex -Jugoslávia Srecko fez diversas intervenções importantes, entusiasmantes e carregadas de emoção lembrando numa delas a mensagem de Ghandi e como ela é representada por Assange: "Seja a mudança que quer ver no mundo".
E ele é-o. Os resistentes são-no.
Cada um de nós pode e deve ser também. Srecko lembrou-nos o poema de Niemoller "primeiro vieram pelos comunistas e eu fiquei em silêncio porque não era comunista...". Martin Niemoller, pastor luterano alemão e apoiante nazi, acabou por ser levado para o campo de concentração de Dachau onde escreveu este poema.
Se calamos, um dia, quando nos vierem buscar, poderá não haver ninguém para nos defender.
Por Srecko, que enfatizou diversas vezes que a nova política tem de ser de esperança, continuidade com base nos laços de amizade, ficámos a saber a diferença entre cães e gatos:
- "porque um gato não trabalha para a polícia"!
Por esta razão Assange agora tem um gato por companhia no seu pequeno apartamento na Embaixada altamente vigiada pelo MI6, FBI,CIA, NSA, MOSSAD e quejandos, do pequeno valente país que lhe ofereceu refúgio, o Equador.
Assange expõe os segredos de uma elite perante o mundo. Esse é o seu "crime". Se não fosse por medo do que pode e tem revelado os donos do mundo não lhe queriam cortar a língua. Nem teriam necessidade de esconder as tramas que urdem.
Sobre a sua prisão as Nações Unidas já deliberaram e pronunciaram sendo a conclusão a de uma prisão arbitrária. Para explicar detalhes da opacidade de todo o processo Kafkiano, um dos advogados da sua equipa de defesa esteve presente a explicar alguns dos contornos maquiavélicos onde a Suécia é desnudada sem romantismo.
Arundhati Roy, a premiada escritora indiana escreveu uma carta, lida por Srecko, onde pedia a libertação imediata de Assange vinculando-a à declaração das Nações Unidas. De todos vem a mensagem de esperança e de não silenciar estes nossos heróis.
"Poli" do latim significa "many"(muitos) em Inglês. "Tics" traduzido do inglês significa criaturas que sugam sangue. "Politics" são estas criaturas que nos sugam globalmente o sangue, com tratamentos de choque. Metafóricos e literais. A eles se contrapõem estes heróis contemporâneos que desvendam a opacidade dos conluios, acordos e esquemas através das suas corporações, bancos, medidas de austeridade e guerras impostas e desta união europeia, sem terem mandato para os segredos que escondem.
Varoufakis, o homem que se recusou a tornar um "insider" dentro da opaca UE, criou um movimento DIEM25, o movimento que quer de forma horizontal na área geográfica da Europa,deitar-lhe o conteúdo de voltar a deixar entrar a democracia e a transparência dentro da sua própria casa,de onde foram expulsas.
Yanis Varoufakis terminou falando do acrónimo que criou contrapondo-o ao acrónimo TINA da UE (There Is No Alternative - que tanto ouvimos dos nossos políticos ).
TATIANA (Tough Astonishingly There Is An Alternative).
Há um provérbio africano que reza simplesmente : quando todas as teias se juntam podem amarrar um leão.
As aranhas da Europa, berço da democracia, de Medusa- se quisermos- podemos renascer Tatiana´s.
Da conferência, com o mundo virado ao contrário, fora do eixo, com a Europa a desintegrar-se, saí inspirada para ver o parto de uma Europa utópica e não distópica como a que vivemos. As parteiras estão a juntar-se.
A conferência demorou duas horas e meia e a minha capacidade de síntese tornou-se opaca. As minhas desculpas pela extensão do artigo.